Feliz 2012 - Meus Amigos!!!

RECEITA DE ANO NOVO
Carlos Drummond Andrade

Para você ganhar belíssimo um Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

3º CONGRESSO DE TEATRO DA ARTEPE – 2012

Em Serra Talhada/PE, no Museu do Cangaço.
Dia: 06/01/2012 (sexta-feira)

15h00 às 17h00 – Credenciamento
19h00 – Abertura Solene (Izaltino Caetano - Presidente da Artepe)
20h00 – Conferência: Cultura e Economia Criativa - Caminhos para Sustentabilidade, com Cláudia Leitão (Secretária de Economia Criativa do Ministério da Cultura)
20h30 – Apresentação Cultural com o Grupo de Xaxado Cabras de Lampião
21h30 – Coquetel
Dia: 07/01/2012 (Sábado)
08h00 – Assembléia Geral Ordinária
09h00 – Aprovação do Regimento Interno e Eleição da Mesa Diretora do Congresso
09h30 – Mesa de Debates com os Temas:
a) “Economia da Cultura e Desenvolvimento – Estratégias e Desafios”, com Karl Max (Fundação Cultural Cabras de Lampião – UFRPE/UAST)
b) “Mídias Sociais como Ferramenta para o Marketing Cultural”, com Prof. Jorge Correia (UFRPE/EAD)
c) “Editais de Cultura: Conceitos e Fundamentos”, com Afonso Oliveira (Movimento Canavial – Zona da Mata de Pernambuco)
11h00 – Debate com os Palestrantes
12h30 – Almoço
14h00 – Debates dos Grupos de Trabalho
GT 1 = Tema: Potencializando os filiados a partir da Economia Criativa   
GT 2 = Tema: Ampliando a partir das Mídias Sociais e a Política de Editais Vigentes
GT 3 = Tema: Administração, Relacionamento com os Filiados e Política Cultural
16h00 – Apresentação dos Grupos de Trabalho em Plenária
Aprovação do Plano Trianual de Trabalho – PTT
18h00 – Jantar
20h00 – Programação Cultural (Lançamentos de livros e apresentações teatrais)
Dia: 08/01/2012 (Domingo)
08h00 – Aprovação de Moções
11h00 – Eleição e Posse da Nova Diretoria
12h00 – Encerramento 

As festas da rua velha

AS FESTAS DA RUA VELHA
(Josessandro Andrade)

“Na Rua Velha a liberdade
Onde fincava pião
Na Ponteira da Saudade
Olhos de Padre Aragão
Teatrinho de brinquedo
Meu fantoche de papel
Sem assombração nem medo
Fiz minha torre de Babel
Mirando da Pedra Grande
Vê-se a torre da matriz
Rabo de peixe de flandre
Academia de giz
Pelas teias da lembrança
Tempos que não voltarão
Rede que dança e balança
Asas da imaginação”.

    Esta composição de meu primo e amigo Antônio Amaral, que é cantada por ele no nosso Show poético-musical “Água Fria de Alagoa de Baixo”, Brinda-nos com uma pequena mostra do universo de encantamento que emoldura a Rua Velha,
     Onde tudo começou em nossa Terra. Compreendendo a Praça Amarão Lafayete, a Rua Sete de Setembro, ele praticamente se estende de forma afetiva a outras artérias vizinhas, como a Travessa Albuquerque – Né, a Rua Álvaro Barbalho e a Rua de Juá, que fazem parte da região metropolitana que a circunda e bem mais que em um bairro inteiro se constitui. A Rua Velha com suas ricas  vivências, com  suas  memórias políticas e pujança econômica e cultural, a Rua dos primeiros Mercado, Feira, Escola e biblioteca, de tantos poetas como Ulysses Lins, Luiz Pintô, Hamilton Rodrigues, Wilson Freire, Antônio Amaral, Walmar, Walter Amaral, Luiz Pinheiro, Flávio Magalhães, Corsino de Brito, de tantas musas, serenatas, amores, segredos, preces, paixões e ideais. 
    Pois bem, não é de hoje que a Rua Velha vem sofrendo um processo de degradação física e cultural, desde a agressão a seu patrimônio histórico com a derrubada do Coreto, passando pela destruição de vários casarões ou descaracterização de fachadas. Acharam pouco! Agora investem a violência (sim, pois falta de respeito também o é), contra o que restava do Patrimônio Imaterial: as festas da rua velha.

“Quem subiu prá Rua Velha
Sem fazer calo no pé
Não chupou abacaxi
Nem se embebedou em Pé
Não esquentou a fivela
Agarrado com Zabé
Lá no forró do Mercado
Não conhece Arrastapé”.

    Digo isto porque Dezembro chegou e com ele as festas da Padroeira, Natal, Ano Novo. A Rua Velha, (que na verdade foi o ventre onde Sertânia ganhou a vida), durante mais de cento e cinquenta anos serviu de palco glorioso destes festejos famosos.

“O Juju de Zé de Carocha
Rodava feito Pião
A onda de Pedro Tito
Subiu mais que Avião
Carrossel de Chico Padeiro
Roncando no meu terreiro
Nos Oito da Conceição”.

    A festa da Padroeira de velhos tempos e distintas épocas, contada e cantada nos versos de Quatro poetas de gerações diferentes: Antônio Amaral, Cieudes Brasiliano, Anacleto Carvalho e Bartolomeu Brasiliano, resgata a poesia do baú de infâncias perdidas, o movimento das ruas, os costumes, as barracas, as comidas, o Pastoril, os leilões, os fogos, os brinquedos dos parques de diversões, as bandas de música, as cavalhadas, os bacamartes, pífanos da Orquestra de Sons Populares, num relato carregado de emoção singular de cada um, mas que se encaixam para compor um grande mosaico de coloridas e doloridas saudades.

“Na festa da Padroeira
Era isso que se via
Cachaça, forró, folia,
Botecos pras bebedeiras,
Meninos espavoridos,
Fazendo grande alarido,
Ao tropel das correrias
Dos carrosséis esquecidos”.
    A canção "7 e 8 de Dezembro", Que a maioria das pessoas chama de "A Música da Rua Velha", É Um Arrasta-pé épico com melodia de Heuris Tavares, gravada em 2000, na voz de Daniel Medeiros (um artista dos mais telúricos de Sertânia e de formação religiosa evangélica). Quando toca levanta o povo, povo canta, povo dança, se emociona, assim como quando ouvia os sacudidos frevos - de - rua de Francisquinho, com a sua clássica "Batalha de Confetes", Nos carnavais da Orquestra Marajoara, quando ainda existia América E.C.

Cavalhada e Pastoril
Até leilão existia
Na calçada da igreja
Até o Padre bebia
E matutada brincava
Até manhecer o dia”.

    Evoco estas reminiscências justamente a pedido de uma vasta gama de pessoas perplexas com o fim da festa da padroeira de Sertânia. Soubemos até que alegaram que o que acabou foi a festa profana e não a festa da padroeira, como se uma pudesse existir sem a outra ou estivessem desassociadas depois de mais de 150 anos de convivência em Alagoa de Baixo e em Sertânia.
    Mas pergunto onde foi que acabou a festa profana? Sim, porque ela continua acontecendo no calçadão da igreja, com várias barracas, que vendem mercadorias e produtos com exclusividade de negociar para a paróquia. Dói, constrange e revolta saber que a igreja que fala tanto em defender a pobreza, quantos pais de famílias pobres deixou proibidos de ganhar um dinheirinho, comercializando nas barracas que tradicionalmente se colocava para vender maçã melada, abacaxi, rolete de cana, gengibirra, xerém com galinha, cachaça, sorvete de raspa-raspa, bolo de mandioca, tendas de jogo, juntamente com as novenas, os balões, as procissões e foguetório, enfim tudo que construiu um dia esta festa. Como é que se acabam tradições de mais de cem anos da vida de uma cidade, sem conhecer a história e a realidade dela e todo mundo aceita, se cala e consente. Pecam por omissão!
    Desta forma, podemos concluir que a igreja foi egoísta, uma vez que passou a monopolizar o comércio da festa e ainda mais sob o argumento de que pratica tal ato em nome da casa do Senhor, pois diz-se que é para ela o que é arrecadado. A festa ficou mais profana ainda, pois o altar sagrado onde se deve exclusivamente pregar a palavra de Deus, é usado para autoridades e políticos fazerem discursos, com direito a fogos de artifício e tudo mais.
    É muito fácil evangelizar dentro de uma igreja. Em um templo, até um pistoleiro comporta-se bem, diz-me o poeta Zenilton, do Alto do Rio Branco. No entanto, o desafio é evangelizar fora da igreja. Por isto que muita gente está afastada do catolicismo, que já não atrai os jovens. Eles com sua irreverência e criatividade são avessos aos excessos de prepotência, bajulação e purismo sem consistência. E não são eles que não querem vida espiritual, pois apesar de católico, tenho uma filha que frequenta uma igreja evangélica e lá mais de 50 jovens e adolescentes uniformizados dirigem o culto com Datashow e telão, pregam , apresentam-se em banda, teatro e coral, num clima de muita alegria e entusiasmo. E nossa Igreja católica, que só olha para seu umbigo, egoísta, acomodada e sonolenta. Envelheceu e não seu deu conta.
    Neste clima de inquisição, proibiram até o Parque de Diversões de Severino Amador, um dos maiores entusiastas da festa da padroeira (Parque de Diversões Imaculada Conceição), que já fazia parte do folclore das festas de Dezembro na Rua Velha. Tivemos conhecimento inclusive que D. Edileuza Estima, esta pessoa formidável, grande educadora e artista de Sertânia chegou a ser maltratada. Onde é que nós estamos minha gente?
    Convém ressaltar e parabenizar a ornamentação Natalina feita pela Prefeitura Municipal, bonita e organizada, constituindo-se numa novidade que dá um clima de Natal a Rua Velha, como coração da cidade. Coisas novas que poderiam conviver com as tradições. Este é o costume do mundo civilizado, principalmente dos países de primeiro mundo e não um substituir o outro, como aqui se faz. A destruição da memória e tudo que ela possui em nome de algo, que ainda não se sabe o que é no caso aquilo que chamam de moderno em arquitetura, em música e na vida clerical.
    No final do Ano, principalmente para o povo da zona rural havia todo um ritual de preparação para o Réveillon: vinha – se de cavalo, de carro-de-boi, a pé, de caminhão para receber o ano novo. Duval Brito, nascido no Riacho Verde, hoje morando em Paulo Afonso – BA e Luiz Wilson, oriundo do Recanto, hoje radicado em São Paulo-SP, ambos poetas, compositores e meus primos, vieram em 2009, no dia 31 de Dezembro, para relembrar velhos tempos e amanhecer o dia nas barracas, tomando cerveja, vendo a festa. Frustração deles e vergonha minha. Nem parque, nem barracas, nem gente, a Rua velha parecia um imenso deserto ou um povoado fantasma.
Até Quando?
Por: Josessandro Andrade

AMIGO E AMIGA - FELIZ NATAL E UM INCERTO ANO NOVO ( LAILTON ARAÚJO )

( Lailton Araújo )



Hoje é 25 de dezembro de 2011. Hoje é natal!. No Ocidente cristão as crenças religiosas estão divididas entre católicos, protestantes e outras seitas. Que rotina maluca de se presentear nesta época!

O Sol parece aquecer mais do que nunca no Brasil, ex-colônia portuguesa, e que manteve a tradição cristã do Natal nos últimos séculos. É verão! A economia brasileira concorre com o citado Sol em termos de aquecimento. O calor solar deixa os brasileiros seminus nos balneários e ruas, mostrando que neste país, se tem sensualidade, alto astral e alguns corpos sarados. Já a economia brasileira é movida com o suor e paciência de seu povo. Tudo está super aquecido, ou melhor: com os preços mais caros que em Nova Iorque. Quem se aventurar nas imensas filas dos shoppings paulistanos e centros comerciais regionais para comprar um presente, evitará à quebra do hábito da doação na noite natalina, e ajudará no aumento dos índices governamentais tão necessários nesta época de crise, descaso político e ufanismo exagerado. O Natal é um termômetro do poder de compra do brasileiro.

Depois de um ano de trabalho e incertezas, o brasileiro ainda paga os maiores impostos do planeta, e estes mesmos impostos são mal administrados por um poder público ultrapassado e arrogante, e que se acha acima de Deus, ou travestido de deuses. Mas, não é hora de falar de política: alguns acham assim! É Natal e se deve viver este espírito, mesmo sabendo que em São Paulo (Sampa para os íntimos), a “Favela do Moinho” pegou fogo, sendo o autor do incêndio, talvez um provável espírito de porco, travestido de humano e que não acredita em espírito de Natal. Talvez seja essa a opinião da maioria das pessoas. Após a tragédia, a imprensa mostrou o prefeito e seus subordinados (em pré-campanha eleitoral) elogiando o trabalho do corpo de bombeiros. Uma emissora de televisão colocou ao vivo, a realidade nua e crua - sem ser erótica - do fogo consumindo as moradias de um povo sofrido. O Ibope deve ter ultrapassado as arrecadações dos dízimos dos fiéis. E o politicamente correto é endossado pelo espírito natalino da presidente Dilma Rousseff e alguns ministros, dirigentes de um “Estado Laico”. Vieram a São Paulo para um encontro natalino dos moradores de rua, e aproveitaram a viagem para uma visita aos sem tetos do incêndio da comentada favela. Será que os gastos com a tal viagem eram necessários?  Que chato! Não é hora de críticas políticas! É hora de solidariedade para com aqueles que ficaram sem tetos. Os impostos cobrados dos indefesos cidadãos - inclusive dos que moram em favelas - cobrem quaisquer despesas justificadas. É a política social do faz de conta, que até já transbordou no saco de Papai Noel! Onde serão colocadas as vítimas deste incêndio, na próxima noite de Natal?  

Será que as eleições municipais acontecerão em 2012? As profecias Maias (Civilização Maia) dizem que haverá mudanças profundas no planeta Terra. Tomara que essas esperadas mudanças comecem no poder judiciário do Brasil, que hoje é questionado em sua legitimidade moral, por atos não explicados à população. Acreditar na existência de Papai Noel é o mesmo que achar que os três poderes brasileiros são autônomos e éticos! Enquanto isso, a Coréia do Norte chora lágrimas de crocodilos pela passagem espiritual de seu imperador comunista. Se o comunismo é camarada, como pode existir um imperador neste sistema político? Dizem que tudo é possível para se combater o capitalismo. Talvez sejam estas as explicações dos tiranos, para a justificativa da opressão ao seu povo. A liberdade deve ser algo inegociável, mesmo que uma nação seja ingênua, ou mesmo, acredite em Papai Noel. O espírito de Natal parece caminhar para a unificação das duas coréias, na península de fogo, independente das visões políticas de novos e velhos líderes mundiais. No Brasil caminha-se com passo da desconfiança nos políticos e olhos abertos para os atos estranhos do poder judiciário. A democracia está em crise?

O espírito do Ano Novo aproxima-se geograficamente do Oriente? Tomara que o Sol Maia (Civilização Maia) não seja uma metáfora de uma nova tragédia atômica na “Terra do Sol Nascente” (Japão). A primavera árabe continua firme e forte no Oriente Médio e Norte da África! Parece jogo de xadrez ou brincadeira de dominó! Na Líbia já não existe um ditador. O que acontecerá nos próximos meses? Egito e Síria continuam em ebulição! Irã e Israel aquecem as flores da primavera, com ameaças de extermínio, justificadas pelo direito ao átomo e gene da intolerância. Em contrapartida (separada pelo Mar Mediterrâneo) a Europa, agoniza com suas várias economias. Heroicamente ainda pode resistir à desvalorização da moeda “Euro”. De onde virão receitas e novas fórmulas para a manutenção dos benefícios sociais europeus? As antigas colônias asiáticas, africanas e latino-americanas, já não dependem do velho continente. A China é a bola da vez, neste jogo do comércio mundial - nova ordem - que começa na Ásia e termina nas Américas. Até quando os EUA observarão que o dólar e suas fortalezas militares pelos mares, já não medram ou impõe medo? Os EUA estão em decadência econômica. A China já é o segundo país em termos de PIB (Produto Interno Bruto), derrubando velhas teorias capitalistas, e deixando economistas carecas e caretas. Para onde caminha o ano 2012? Talvez para a Índia, país espiritualmente elevado e materialmente empobrecido, e que desponta para uma nova era. E as desavenças políticas com o vizinho Paquistão? Será que o Sol Maia (Civilização Maia) nascerá quadrado da janela de um trem indiano ou paquistanês? Só uma solução pacífica na disputa da Caxemira poderá trazer a resposta.  

E o governo do Brasil - alheio ao rebuliço econômico e político de outras nações - mantém as velhas manias do “pão e circo”, com dois grandes eventos esportivos: “Copa do Mundo 2014” e “Rio 2016”. Marte (deus romano - da guerra) e Zeus (deus grego - dos jogos olímpicos) pedem certa prudência. A Grécia está falida; a Itália caminha para alguns anos de recessão; e muitos países da Europa pedem socorro financeiro. Aqui neste país abençoado por Deus e que ainda acredita em Papai Noel e espírito de Natal, o dinheiro do contribuinte (suado no trabalho e sugado na fonte) está sobrando para obras faraônicas. Enquanto se constrói novos estádios de futebol e se modernizam outros, o povo sofre com velhos problemas sociais causados por falta de infra-estrutura urbana e rural, e corrupção. Acredita-se que diversos moradores da “Favela do Moinho” (que pegou fogo em 22/12/2011) passarão o Natal na rua ou em algum alojamento público, e ficarão esperando um político municipal, estadual ou federal disfarçado de Papai Noel, que sabe pedir voto na hora de ser solidário. Algumas sugestões para a solução temporária do impasse social: 1) A presidente Dilma Rousseff poderia hospedar esses novos sem tetos em hotéis paulistanos de cinco estrelas, e mandar a conta das despesas, para o Ministério das Cidades; 2) O prefeito Gilberto Kassab (de São Paulo) - responsável pelo planejamento urbano - incluíria no pacote de hospedagem da presidente Dilma Rousseff (para os novos sem tetos da Favela do Moinho), uma festa de Réveillon e com direito a nova hospedagem, em alguma pousada de luxo do litoral paulista; 3) Quem pagará a conta? Talvez aquele poço sem fundo - não explicado - que pagou as hospedagens de alguns magistrados do poder judiciário.

Papai Noel existe! Sonhar não custa nada! Feliz Natal e um incerto Ano Novo!

.....................................................................................................................................................................................................................................................

Abraços.

Lailton Araújo

BREVE ORAÇÃO DE 'VIRADA' DE ANO

Aos meus adorados e caríssimos amigos,amigas, a quem tanto amo, desejo milhares de situações felizes e eternas, agora e no novo ano, bem como também àqueles que não me exigiram tanto por perto deles quanto eu os quis e quero, aqui e agora, bem próximos a mim. 

Feliz Natal! Bom Ano Novo!



Breve Oração de Virada de Ano
                                                                    (Arthur de Faria, sobre poema de Daniel Galera)
Deus, por favor não mais permita que os cachorros me dirijam olhares tristes por trás das grades do jardim das casas.

Deus, poupe-me também dos olhares tristonhos das empregadas que contemplam a cidade apoiadas nas sacadas dos prédios.
Tira, por favor, de todos os asilos, os adesivos do Ecco Salva afixados nas paredes.

Que as vastas platéias de cinema sejam ocupadas sempre por uma única pessoa, e que na saída do filme chova invariavelmente.
Bota fim, deus, a esse constrangimento injustificado que faz com que as pessoas desistam de foder e dar abraços, mesmo quando elas sabem que isto seria necessário.

Convence a todos da impossibilidade do amor, e observa enquanto descobrem o amor como a única possibilidade.

Quanto aos pecados capitais, peço que tornes a Gula compatível com a Vaidade, a Preguiça compatível com a Avareza, a Ira compatível com a Inveja, e que a Luxúria soterre as anteriores.

Acabe com a Aids, Deus.

Que todos tenham plena consciência de que vão morrer definitivamente, e que na hora da morte não possam evitar um breve sorriso de desobediência infantil. E conserva os dentes dentro de nossas bocas, para que apodreçam conosco.

Que persista no tempo apenas aquilo que fomos capazes de criar.

Peço que amanhã de manhã, Deus, eu seja acordado com o peso familiar de um certo corpo em cima do meu.
Que o sol invada minha barraca brando, resignado.

Então será o Ano Novo, mas não fará diferença.

Andy Serkis -O maior ator virtual do cinema

Antes de surgirem no computador, estes personagens foram vividos pelo mesmo ser humano. (Re)conheça o maior ator virtual do cinema

por Alexandre Carvalho dos Santos

Editora Globo
Ele era o chefe da revista em De Repente 30. Foi secretário de Nikola Tesla em O Grande Truque — aquele dos mágicos. Em A Festa Nunca Termina, fez o produtor do Joy Division. Não lembra? OK: não se envergonhe de não ligar o rosto à pessoa. Toda vez que o ator inglês Andy Serkis fez sucesso de verdade, você não viu a cara dele.

Serkis, de 47 anos, especializou-se em ser o intérprete por trás de personagens criados por computador. Ele foi o Gollum, da série O Senhor dos Anéis, o King Kong, do filme de 2005, e agora, em Planeta dos Macacos: A Origem, acaba de interpretar Caesar, um chimpanzé tão protagonista do filme quanto James Franco, que faz um cientista bonzinho na história. O diferencial desses trabalhos de Serkis é que ele não se limita a dublar os personagens desenhados. Ele atua de verdade: cada expressão de raiva e de dor, cada balanço de corpo, cada macaquice de Caesar é uma reprodução digital dos gestos do ator.
Editora Globo
Crédito: Joe Lederer - Twentieth Century Fox Film Corporation
A mágica funciona graças a uma tecnologia chamada performance capture, que ficou famosa no blockbuster Avatar. Com algumas variações, dependendo do objetivo, a técnica costuma ser a seguinte: dezenas de sensores espalhados pelo corpo do ator registram seus movimentos. A imagem que sai disso é um tipo de esqueleto móvel formado por marcadores ópticos. É em cima dessa figura 3D, que reproduz os gestos do intérprete, que os animadores desenham o personagem. Pode não haver nada da pele, do nariz e dos olhos de Andy Serkis em Caesar. Mas as expressões e o jeitão do macaco não saíram só do estúdio de animação. A sutileza desse primata que quer ser gente só foi possível pela arte do ator.

“Com Caesar, o desafio era interpretar não apenas um chimpanzé, mas um que tinha sido submetido a uma droga que alterou sua inteligência”, explica Serkis. “Eu precisava antropomorfizar esse chimpanzé. Ele é como uma criança superdotada.” O ator baseou sua atuação num chimpanzé real chamado Oliver, que assombrou os estudiosos nos anos 1970. O macaco era totalmente bípede, tinha uma cabeça quase sem pelos, e não queria saber de ficar com outros chimpanzés – só se relacionava com seres humanos. É mais ou menos o que acontece no filme com Caesar. Ele vive uma infância mimada na casa do cientista Will Rodman (James Franco), tomando café da manhã à mesa com a família e sendo tratado como filho. Até que, numa tentativa de proteger o pai de Will, um doente de Alzheimer, acaba ferindo um vizinho e vai para a jaula com outros símios. É um dos momentos de maior comoção no filme. Caesar, que se comunica com linguagem de sinais e é sensível como uma criança, quase humano, é obrigado a viver com as feras. “A performance capture permitiu que eu não apenas imitasse movimentos de macaco. Eu estava interpretando essa personalidade confusa e cheia de conflitos que existia dentro dele”, diz o ator. 

Natal com Maria

Fragmento de CANÇÃO DE FIM DE ANO
(por Antônio Maria)
(…)
“Sou o homem real, que sua, que mente, que disfarça, que teme, que inveja e cobiça. Tive e tenho os meus momentos de suicida. Não gosto que me conheçam aquém e além de um homem constantemente exposto ao erro e ao crime. É dever do ser humano pressentir em seu semelhante um sem-número de intimidades inconfessáveis. O grande e verdadeiro amor ao próximo é aquele que ama os erros mostrados e pressupostos.
Além da verdade, só existe a multidão, que exime o homem das proclamações e o ampara das conseqüências de sua coragem. Depois de cumprida a Verdade, ter-se-á conquistado o silêncio. “O silêncio alcançado à custa de sempre dizer a mesma coisa” (João Cabral de Melo Neto).
Só creio em dois estados de lucidez: o dos bêbados e dos poetas. Ambos são negados. Mas essa negação ainda não é a definitiva. Lucidez não é, por exemplo, comprar-se uma vitrola por cem dólares e se vendê-la por vinte contos. Isto seria melhor chamado de “paciência”… ou “organização”… ou ainda “paciência organizada”.  (…) A grande lucidez dos poetas estaria, por exemplo, neste verso de Fernando Pessoa: “Em tudo quanto olhei, fiquei em parte”. A lucidez dos bêbados é difícil de defender, porque existem mil bêbados diferentes na humanidade (…) são lúcidos e, se um desagrada, é porque sua natureza repele o estado angelical e luzente da bebedice.
(…)
Que as constantes feiúras a encontrar não nos retraia os olhos (no caso, o sentir) e as mãos. Depois, será mais fácil conhecer-se o próximo. E depois, então, mesmo que se minta, só se saberá da utilidade e do consolo da verdade. Faltará ânimo para o fingimento e a fuga, quando acreditarmos em que ninguém engana ninguém e em que somos capazes de conhecer o próximo, desde o instante inicial do primeiro conhecimento.
A sintomatologia do mal é evidente e constante. O homem mau ri errado. Por isso, deve-se viver em multidão. Falar e rir em coro, andar e parar em batalhões. Viver entre os que, simplesmente, estiverem vivendo. A vida coral nos alivia da obrigação do êxito, do êxito que é casual (e verdadeiro) ou é fabricado e cínico. Desconfiai dos feitos que são repetidamente comemorados com jantares e missas de ação de graças!
É esta uma simples canção de fim de ano. Escrevia, confessando-me e comprometendo-me em cada uma das minhas pequenas descobertas. Se não atingi, rondei mais das vezes a insolente verdade dos homens e das coisas. Em vez disso, escreveria uma crônica de Natal… Mas, em tudo o que eu dissesse do Nascimento de Cristo e fraternidade humana, correria o erro constante de repetir: “Natal, Natal, bimbalham os sinos…
Rio de Janeiro, 14 de Dezembro de 1956″.
Do livro: “Com vocês, Antônio Maria”, Editora Paz e Terra – Rio de Janeiro, 1994, pág. 

Feliz Natal

Ator e diretor Sérgio Britto morre aos 88 anos

Causa da morte foi insuficiência respiratória aguda; ele estava internado no Rio de Janeiro.

II Festival de Músicas do Cangaço em Serra Talhada

Está previsto para o período de 10 de janeiro a 10 de fevereiro as inscrições para os interessados em participarem do II FESTIVAL DE MÚSICAS DO CANGAÇO, indicado pra acontecer no dia 28 de abril de 2012, em Serra Talhada-PE, a Terra de Lampião e Capital do Xaxado.

Em breve as fichas de inscrições e regulamento estarão disponíveis no blog www.pontodeculturacabrasdelampiao.blogspot.com e no Museu do Cangaço. Serão distribuídos R$15.000.00 (quinze mil reais) em prêmios.

O II FESTIVAL DE MÚSICAS DO CANGAÇO é de um evento competitivo, que tem como objetivo incentivar a boa música, aprimorar e desenvolver a cultura musical, revelar talentos, valorizar artistas, compositores e intérpretes.

O evento será de âmbito nacional, onde o cenário é propiciado pela diversificação cultural, voltado para Música Popular Brasileira, de composições inéditas, TEMÁTICA CANGAÇO, visando envolver todos os gêneros e estilos, objetivando fomentar o segmento musical em vários formatos, além de formar plateia e criar massa crítica.

Prepare sua música e arrume o matulão pra participar dessa festa.

INFORMAÇÕES:
Museu do Cangaço
Ponto de Cultura Cabras de Lampião

SERTANIENSE ASSUME SECRETARIA ESPECIAL DA MULHER DE CARUARU

A sertaniense Elba Ravane assumiu a Secretaria Especial da Mulher de Caruaru. A mesma assumiu a secretaria, após a bacharel em Direito Louise Caroline está deixando o comando da Secretaria Especial da Mulher de Caruaru. Ela foi a única brasileira selecionada entre 25 latinoamericanos contemplados com uma bolsa de mestrado em Políticas Aplicadas, oferecido pela Fundación Internacional para Iberoamerica e Adnministracion, em Madri, Espanha.

A nova secretária Elba Ravane, 24 anos, é advogada com pós-graduação em Segurança Pública. Filha de pequenos agricultores de um sítio em Sertânia, Elba foi a primeira da família a ingressar na política e na Universidade, com recursos do PROUNI. Ex-bolsista da ASCES, Elba conheceu Louise nos tempos da militância estudantil. Dirigente do PT municipal, Elba ingressou na Secretaria Especial da Mulher como chefe de gabinete. Em seguida, assumiu a Diretoria de Relações Institucionais, segundo cargo mais importante na estrutura da pasta.

“Sinto-me honrada com o convite e espero atender as expectativas que serão muitas, pois Louise conseguiu dar uma grande visibilidade à Secretaria da Mulher. Nossos principais desafios serão cumprir as propostas escolhidas pelas caruaruenses na Conferência da Mulher, empoderando as mulheres e garantindo os direitos para autonomia e igualdade”, disse a nova secretária.
 
Fonte: Sertânia na Net

Ainda emcionada Elba Ravane envia a seguinte mensagem aos amigos e a família em Sertânia.

Casa do Carnaval inscreve para o seminário preparatório da Comissão Julgadora do Concurso de Agremiações Carnavalescas do Recife 2012

De 19 a 30 de dezembro de 2011, a Casa do Carnaval realiza as inscrições para o Seminário Preparatório da Comissão Julgadora do Concurso de Agremiações Carnavalescas do Recife – 2012

O seminário, que está na 7ª edição, tem a coordenação geral de Zélia Sales e Albemar Araújo, e busca preparar, do ponto de vista teórico, os candidatos a comissão julgadora nas áreas de coreografia, artes plásticas, história, turismo, artes cênicas, design gráfico, música e carnavalescos. Os jurados selecionados irão atuar nos 4 pólos de concurso: Avenida Nossa Senhora do Carmo (Grupo Especial), Av. Guararapes (Grupo 1), Pátio de Santa Cruz (Grupo 2), e Avenida do Forte (Grupo de Acesso).

Os interessados deverão comparecer ao auditório Dona Santa e Mestre Salu (1º andar da CASA) e preencher um formulário específico para participação.

As aulas serão realizadas na Faculdade Maurício de Nassau, de 16 a 20 de janeiro de 2012, das 18 às 21 horas.

SERVIÇO:
Inscrições para o Seminário: 19 a 30 de dezembro de 2011
Local: Casa do Carnaval, 52 - Pátio de São Pedro - bairro de São José, Recife.
Informações: (81) 3355-3303 / 3302 / 8046 / 8018

O AUTO DE NATAL DO SERTÃO ANO IV

INFORME POR MOTIVOS TÉCNICOS NÃO FOI POSSÍVEL A APRESENTAÇÃO DO AUTO DE NATAL DO SERTÃO,MAS NÓS QUE FAZEMOS PARTE DA CIA. TEATRAL PRIMEIRO TRAÇO,DESEJAMOS UM FELIZ NATAL E UM UM ANO CHEIO DE REALIZAÇÕES E UMA CIDADE COM MAIS ARTE EM 2012, PARA TODOS...

Oficinas de Verão do Espaço Totem

Oficinas de Verão do Espaço Totem de 16 de janeiro a 01 de fevereiro
O PERFORMER: O DISPOSITIVO DA DIFERENÇA - Minicurso teórico-prático com Fred Nascimento (Totem) e Lau Veríssimo (Totem), nos dias (segundas e quartas) 16, 18, 23, 25, 30 de janeiro e 01 de fevereiro de 2012 das 18:00 às 22:00. Serão trabalhados conceitos e práticas ligados a performance, persona, presença, ritual, memória, mitologia pessoal, ideogramas, metamorfoses, estados, o corpo como discurso, o ator-performer criador e criatura.
Investimento: 120,00 em duas parcelas


VIEWPOINTS: UMA POSSIBILIDADE DE PROCESSOS CRIATIVOS PARA A CENA - com Nara Salles (UFRN), de 23 a 28 de janeiro de 2012, das 14:00 às 18:00. O objetivo deste mini-curso é proporcionar aos participantes o contato com a prática dos Viewpoints físicos e vocais criando caminhos e experimentações corpóreo-vocais, criação de partituras em relação com o espaço/tempo.
Investimento 120,00 em duas parcelas


Local: ESPAÇO TOTEM - Av. Cruz Cabugá, 514 C – Stº Amaro – Recife.
Contatos: (081) 88679316; (081) 34363739
Informações e inscrições pelo e-mail: grupototem@hotmail.com

O CARNAVAL VAI TER QUE SE VIRAR NOS 30 E FICA MAIS POBRE SEM JOÃZINHO...

Joãozinho Trinta estava internado em São Luis do Maranhão em estado grave, desde o dia 3 deste mês e faleceu por volta das 11h. Segundo os médicos ele morreu em razão de um choque séptico, infecção generalizada, e apresentava quadro de pneumonia e infecção urinária. O velório deverá acontecer no Teatro Arthur Azevedo no centro da cidade.

Com ousadia e enredos luxuosos, Joãozinho Trinta passou a ser chamado de gênio e reinou no Rio de Janeiro conquistando os títulos do carnaval de 1976, 1977, 1978, 1980 e 1983. Ele ainda teve destaque com dois trabalhos carnavalescos que ficaram com a segunda colocação, em 1986 e em 1989.

Galpão das Artes e Cabras de Lampião são contemplados com o Prêmio Pontos de Memória 2011

O Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM/MinC) publicou no Diário Oficial da União de 14 de dezembro, os resultados finais de dois concursos do Programa de Fomento aos Museus Ibram 2011. O Prêmio Pontos de Memória irá para 45 iniciativas nas categorias Pontos de Memória no Brasil, distribuídas entre 12 estados e Distrito Federal, e Pontos de Memória no Exterior, com projetos da Espanha, Uruguai e Bélgica.

O prêmio busca reconhecer iniciativas de práticas museais e de processos dedicados à memória social que se identifiquem com a perspectiva da museologia social, da diversidade sociocultural e da sustentabilidade.

Dentre os contemplados, figuram o Centro de Criação Galpão das Artes (Limoeiro, Agreste Setentrional) e a Fundação Cultural Cabras de Lampião (Serra Talhada, Sertão do Pajeú), ambos filiados à Artepe.

O que são pontos de memória ?

Os Pontos de Memória têm por concepção reconstruir e fortalecer a memória social e coletiva de comunidades, a partir do cidadão e de suas origens, histórias e valores. Com metodologia participativa e dialógica, trabalham a memória de forma viva e dinâmica, como ferramenta de transformação social.

Em estágio pleno de desenvolvimento, os Pontos de Memória são capazes de promover a melhoria da qualidade de vida da população e fortalecer as tradições locais e os laços de pertencimento, além de impulsionar o turismo e a economia local, contribuindo positivamente na redução da pobreza e violência.

FELIZ NATAL DO 'RECIFE'

Jomar Neto.
 
Com os verdes ramos do ARRUDA  e lindas flores de CAJUEIRO colhidas na VÁRZEA, desejamos Esperança para os AFLITOS e consolo no amor ao repicar dos sinos na TORRE dessa nova era. Para as famílias desejamos uma linda CASA AMARELA no campo, com uma BOA VISTA das montanhas e do PRADO e um gracioso regato de ÁGUA FRIA correndo em seu quintal. Que jamais estejamos AFOGADOS em nossas angústias, nem atolados no BARRO lodoso de nossos conflitos, mas que sempre tenhamos a convicção inabalada de MADALENA, para tomarmos a decisão correta na ENCRUZILHADA de nossas vidas e a devida cautela no ESPINHEIRO das nossas dúvidas. Aos que partem, BOA VIAGEM, aos que chegam, a alegria de podermos compartilhar juntos uma NOVA DESCOBERTA nessa aventura da vida, como verdadeiramente DOIS IRMÃOS,  após um merecido descanso nas AREIAS brancas à sombra de uma JAQUEIRA ou de um frondosa TAMARINEIRA. Decrete-se, pois, a felicidade já, para que estejamos sempre jubilosos nas GRAÇAS de Deus, com a fé inabalável no imenso amor do CORDEIRO.

FANTÁSTICA IDÉIA!!!!!

Já que colocam fotos de gente morta nos maços de cigarros, por que não colocar também:
de gente obesa em pacotes de batata frita,
de animais torturados nos cosméticos,
de acidentes de trânsito nas garrafas e latas de bebidas alcoólicas,
de gente sem teto nas contas de água e luz, e
de
políticos corruptos nas guias de recolhimento de impostos?
FANTÁSTICA IDÉIA!!!!!

O IDIOTA E A MOEDA - Arnaldo Jabor

Conta-se que numa cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia. Um pobre coitado, de pouca inteligência, vivia de pequenos biscates e esmolas.
       Diariamente eles chamavam o idiota ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas: uma grande de 400 RÉIS e outra menor de 2.000 RÉIS. Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.
       Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos.
       - Eu sei, respondeu o tolo. "Ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar minha moeda”.
       Podem-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa.
       A primeira: Quem parece idiota, nem sempre é.
       A segunda: Quais eram os verdadeiros idiotas da história?
       A terceira: Se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.
       Mas a conclusão mais interessante é: A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito.
       Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas sim, quem realmente somos.
       O maior prazer de um homem inteligente é bancar o idiota diante de um idiota que banca o inteligente.
       Preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação.
       Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam... é problema deles.

DIVULGAÇÃO SHOW JORGE NETO E SOMBATUKI...

Governo do Estado promove seminário em Economia Criativa

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Fundarpe e Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco realizarão o Encontro Criativo 2011, no período de 12 a 14 de dezembro de 2011, no Teatro Hermilo Borba Filho, em Recife.

O evento será uma arena de pensamentos e ideias pautadas na Economia Criativa através de reflexões e debates sobre o futuro das cidades e os caminhos para essa construção.

Um encontro para informar o plano de ações que será executado pelo Governo do Estado e como as diversas cadeias produtivas criativas poderão se envolver para gerar negócios e explorar novos mercados. Uma grande oportunidade para discutir a integração entre governos e sociedade civil para a construção de cenários criativos, reunindo artistas, empreendedores e gestores públicos.

O Encontro Criativo conta com o apoio da Fundação Joaquim Nabuco, Ministério da Educação, Ministério da Cultura, Prefeitura da Cidade do Recife, Universidade de Pernambuco, British Council e do Consulado Geral da República Federal da Alemanha Recife.

Luciano Gonçalo
Coordenação de Economia da Cultura
Secretaria de Cultura de Pernambuco

NOVA BANDEIRA DO BRASIL. (FANTÁSTICA)

 
Senhor, tende piedade, piedade de nós!
Senhor, tende piedade de nós!

Pelo Marcos Valério e o Banco Rural
Pela casa de praia do Sérgio Cabral
Pelo dia em que Lula usará o plural

Senhor, tende piedade de nós!
Pela jogada milionária do Lulinha com a Telemar
Pelo dia em que finalmente Dona Marisa vai falar

Senhor, tende piedade de nós!
Pela "queima de arquivo" do Toninho (de Campinas) e Celso Daniel
Pela compra do dossiê no quarto de hotel
Pelos "hermanos compañeros" Evo, Chaves e Fidel
Senhor, tende piedade de nós! Pela volta triunfal do "caçador de marajás"
Pelo Duda Mendonça e os paraísos fiscais
Pelo Galvão Bueno que ninguém aguenta mais

Senhor, tende piedade de nós!Pela família Maluf e suas contas secretas
Pelo dólar na cueca e pela máfia da Loteca
Senhor, tende piedade de nós!
Pela invejável "cultura" da Adriane Galisteu
Pelo "picolé de chuchu" (Alkmim) que esquentou e derreteu
Pela infinita bondade do comandante Zé Dirceu
Senhor, tende piedade de nós!
Pela eterna desculpa da "herança maldita"
Pelo "chefe" Lula abusar da birita
Pelo  penteado da companheira Benedita

Senhor, tende piedade de nós!
Pelo Ali Babá e sua quadrilha
Pelo Zé Sarney e sua filha

Senhor, tende piedade de nós!
Para que possamos ter muita paciência
Para que o povo perca a inocência
E proteste contra essa indecência

Senhor, dai-nos a paz!
(Autor desconhecido)

MISTÉRIOS de DEZEMBRO

por Daniel Lima em réplicas de JMB

Dezembro é o cântico contido.
Implosão de subjetividades.
Explosão de consumismos.
A vontade de ser que se recolhe
e aguarda o seu momento.

Pelo desejo em disponibilidade.
O que será que será dos desatinos?
Misteriosas coisas de dezembro.Mais efêmero no eterno corpo a corpo.Vestígios de rara fraternidade.
Dezembro é o último
mas haverá o primeiro,
outra vez o primeiro.
É isto a história.
A voz dos vencidos na febre
que  nos ultrapassa.
Por outra historicidade.
A razão confundiu os filósofos.
A filosofia enforcou-se de vergonha.
E ninguém mais soube
o que era a razão
(ou para que servia).
A emoção tatuando os pop filósofos
desavergonhados da fenomenologia.
Transe dos conceitos às práticas
trans for ma do ras.Tudo pode ser reverso comunicativo.
Nada pode ser melhor explicitado.
ENTREVERO de poetas bem malditos
porque mal editados.
Outros mistérios de janeiro a dezembro.
É tempo de esperança.
Tudo acaba, tudo recomeça.
Deus nasce, Deus morre,
Deus ressuscita.
O tempo continua/a vida é isto.
As coisas estão cheias de deuses?Vertigem dos lugares incomuns.As coisas passando pelos recantos.Mas, desejando pulsar com elas,eles, todos, alguns.
Rarefatos. Rarefeitos.
Muito além dos limites da nudez
e da mudez dos que preferem a rotina do bom senso.
Dezembro, nosso cântico desmedido.
Jomard Muniz de Britto/ dez/2011

Lei de Reforma do Congresso de 2011 (emenda da Constituição)

Lei de Reforma do Congresso de 2011 (emenda da Constituição)
ACORDA Brasil !


A Lei da Ficha Limpa foi promulgada e aprovada rapidamente. Porque ?  Muito Simples ! O povo exigiu.

Peço a cada destinatário para encaminhar este e-mail a um mínimo de vinte pessoas em sua lista de endereços, por sua vez, pedir a cada um daqueles a fazer o mesmo.

Em três dias, a maioria das pessoas no Brasil terá esta mensagem. Esta é uma idéia que realmente deve ser considerada e repassada para o Povo.
Lei de Reforma do Congresso de 2011 (emenda da Constituição do Brasil)
1. O congressista será assalariado somente durante o mandato. E não terá  aposentadoria proveniente somente pelo mandato.
2. O Congresso contribui para o INSS. Todo o mundo (passado, presente e futuro) atualmente no fundo de aposentadoria do Congresso passará para o regime vigente do INSS imediatamente. O Congresso participa dos benefícios dentro do regime do INSS exatamente como todos outros brasileiros. O fundo de aposentadoria  não pode ser usado para qualquer outra finalidade.

3. Congresso deve pagar para seu plano de aposentadoria, assim como todos os brasileiros.
4. Congresso deixa de votar seu próprio aumento de salário.

5. Congresso perde seu seguro atual de saúde e participa do mesmo sistema de saúde como o povo brasileiro.
6. Congresso deve igualmente cumprir todas as leis que impõem o povo brasileiro.
7. Servir no Congresso é uma honra, não uma carreira. Parlamentares devem servir os seus mandatos (não mais de 2), depois ir para casa e procurar emprego. Ex-congressista não pode ser um lobista.

Se cada pessoa repassar esta mensagem para um mínimo de vinte pessoas, em três dias a maioria das pessoas no Brasil receberá esta mensagem.
A hora para esta emenda na Constituição é AGORA.
É ASSIM QUE VOCÊ PODE CONSERTAR O CONGRESSO. Se você concorda com o exposto, REPASSE,  Se não, basta apagar.

Serra Talhada sediará o 3º Congresso de Teatro da Artepe

Ao completar nove anos de intensas atividades nas artes cênicas, a Associação de Realizadores de Teatro de Pernambuco (Artepe) realizará o seu terceiro congresso, no período de 6 a 8 de janeiro de 2012, no Museu do Cangaço, localizado em Serra Talhada, conhecida como a "Capital do Xaxado", encravada no sertão pernambucano do Pajeú.

O evento enfocará, prioritariamente, a elaboração do Plano Trianual de Trabalho - PTT e a eleição da Diretoria Executiva e Conselho Fiscal para o triênio 2012/2014, de acordo com o Estatuto (Art. 18 e 19) e o Regimento Interno (Art. 6º e 7º) da Artepe.

O 3º Congresso de Teatro da Artepe versará sobre Cultura e Economia Criativa - Caminhos para Sustentabilidade, cuja palestra será proferida pela Profª Cláudia Leitão, titular da Secretaria da Economia Criativa, do Ministério da Cultura, na abertura solene (6), às 20 horas.

Abaixo, conforme previsto no Estatuto da entidade (Art. 32), o Edital de Convocação à participação do Congresso aos grupos/companhias filiados.




"Artepe, seguir em frente na construção de boas relações"

Diretoria Executiva
Gestão 2009/2011

A Crise Na Grécia

Consequências da crise na Grécia:

Zeus vende o seu trono para uma multinacional coreana.

Medusa faz bico na ala dos ofídios em um zoológico local.

Narciso vende seus espelhos para pagar a sua dívida do cheque especial.

Aquiles vai tratar o seu calcanhar no SUS.

Eros e Pan inauguram um prostíbulo.

Hércules suspende os seus 12 trabalhos por falta de pagamento.

Medusa transforma pessoas em pedra e vende na Cracolândia.

O Minotauro está puxando carroça para ganhar a vida.

Acrópole é vendida e em seu lugar é inaugurada uma Igreja Universal do Reino de Zeus.

Afrodite teve que montar uma banquinha de produtos afrodisíacos para pagar as contas.

Eurozona rejeita Medusa como negociadora grega: "ela tem minhocas na cabeça".

Sócrates inaugura Cicuta's Bar para tentar ganhar uns trocados.

Dionísio vende seus vinhos na beira da estrada de Marathónas.

Hermes está entregando o currículo para trabalhar nos correios. Especialidade: entrega rápida.

Caronte anuncia que a partir da próxima semana passará a aceitar o bilhete único.

Afrodite aceitou posar para a Playboy.

Sem dinheiro pra pagar os salários, Zeus libera as ninfas pra trabalharem na Eurozona.

Ilha de Lesbos abre resort hétero.

Para economizar energia, Diógenes apaga sua lanterna.

Oráculo de Delfos vaza números do orçamento e provoca pânico nas Bolsas.

Vênus de Milo promete dar uma mãozinha a desempregados.

Áries, deus da guerra, foi pego em flagrante desviando armamento para a milícia carioca.

Sócrates, Aristóteles e Platão negam envolvimento na rebelião da USP: "Estamos na pindaíba, mas ainda não descemos a esse ponto"

A caverna de Platão está abrigando milhares de sem teto.

Descobri o porquê da crise:
os economistas estão falando grego !!!

1° de Dezembro Dia Mundial de Combate a AIDS

Fundação Joaquim Nabuco lança Documentário inédito sobre Hermilo

LANÇAMENTO DIA 5 - DEZEMBRO

Documentário inédito Hermilo no Grande Teatro do Mundo

Reedição da Tetralogia Um Cavalheiro da Segunda Decadência

Hermilo no Grande Teatro do Mundo é o primeiro documentário realizado sobre o múltiplo artista Hermilo Borba Filho (1917 - 1976). É parte do DVD Coleção Teatro Volume 3 - Hermilo Borba Filho, da Fundação Joaquim Nabuco / Massangana Multimídia Produções. Dirigido e roteirizado pela jornalista e dramaturga Carla Denise, apresenta os principais aspectos da vida e obra de Hermilo, com trechos de depoimento filmado em 1973 e redescoberto pela diretora.

Exibição seguida do lançamento da Tetralogia Um Cavalheiro da Segunda Decadência, pela Editora Bagaço. Dia 5 de dezembro, às 19h, na Fundação Joaquim Nabuco (Edf. Ulysses Pernambucano. Rua Henrique Dias, 609, Derby, Recife-PE). ENTRADA FRANCA.

Programação
Dia 5 Dez

19h - Cinema da Fundação: Exibição de Hermilo no Grande Teatro do Mundo (Cor, 52 min, 2010)

20h - Jardim interno do Edifício Ulysses Pernambucano: Lançamento do DVD Coleção Teatro Volume Três - Hermilo Borba Filho e da reedição da Tetralogia
Coquetel

Carla Denise
Coord. Direção e Criação - MMP
Fundação Joaquim Nabuco

MY SWEET LORD...(10 ANOS SEM GEORGE HARRISON)

Dez anos depois da morte de George Harrison, que se completam nesta terça-feira, a reedição de sua música e o olhar de um de seus admiradores mais ilustres, o cineasta Martin Scorsese, contribuem para libertar o beatle mais enigmático da sombra de John Lennon e Paul McCartney.
Harrison morreu de câncer aos 58 anos no dia 29 de novembro de 2001 em um hospital de Los Angeles. Sua longa batalha contra a doença lhe permitiu cumprir seu objetivo de preparar a consciência "no momento em que devia abandonar seu corpo", relata sua viúva, a mexicana Olivia Trinidad Arias, no documentário recentemente lançado por Scorsese, "Living in the Material World".
Vamos a 1965. Os Beatles rodam com Richard Lester seu segundo longa-metragem, "Help". A disparatada trama inclui uma cena em um restaurante indiano, onde a banda saboreia a refeição ao som de músicas tradicionais.

Harrison que, quando terminaram de filmar a cena, começou a tocar os instrumentos deixados pelos músicos indianos e que se sentiu atraído por aquele som diferente. Não pensou duas vezes e foi a uma loja comprar um sitar.
Teve a oportunidade de utilizá-lo logo após as sessões do álbum "Rubber Soul", quando buscavam uma correção para "Norwegian Wood", composição de Lennon que não emplacou no início. Foi uma grande descoberta: com esses sons orientais, a música pop dava um salto para horizontes insuspeitados.
Harrison encontrou na música indiana um caminho de afirmação artística para se destacar dos colossais Lennon e McCartney e de busca espiritual, num momento em que começava a sofrer os efeitos da asfixiante fama do grupo.
Foi guiado por Ravi Shankar, o grão-mestre da música tradicional indiana, que lhe introduziu nas técnicas do sitar e na meditação transcendental.
Harrison não se conformou em incorporar novos sons aos discos dos Beatles - em temas como "Love You To", do álbum "Revolver", e "Within You Without You", do álbum "Sgt. Pepper" -, mas arrastou todo o grupo à Índia em 1968 para seguir as doutrinas do guru Maharishi Mahesh Yogi sobre meditação.
As contribuições do "pequeno George", o "irmão caçula" do grupo, ganharam em consistência nos últimos álbuns dos Beatles.
Em sua recente biografia do grupo, o engenheiro de som Geoff Emerick, que reconhece que nunca teve boa química com Harrison, destaca que o guitarrista manteve uma trajetória artística ascendente que o levou a compor obras-primas do período final dos Beatles, como "Something" e "Here Comes The Sun".
Nos últimos tempos, o produtor artístico dos Beatles, George Martin, lamentou não ter prestado mais atenção às composições do guitarrista, que foi acumulando material à espera de poder emplacar seus temas entre os que levavam a assinatura Lennon-McCartney.
Harrison se vingou após a dissolução do grupo, quando deu rédeas soltas a toda sua criatividade em "All Things Must Pass" (1970), o monumental triplo LP que é considerado a melhor obra de um beatle sozinho.
Em 1971, promoveu em Nova York o primeiro megashow beneficente da história, em favor das vítimas das inundações em Bangladesh. O chamado The Concert for Bangladesh reuniu estrelas como Eric Clapton, Bob Dylan e até o ex-beatle Ringo Starr.
Sua poliédrica personalidade não o impediu de misturar o material e o espiritual. Harrison comprou um palácio inglês para viver e percorreu circuitos de todo o mundo guiado por sua paixão pelos carros de corrida.
Seus problemas com cocaína e sua personalidade mulherenga são revelados de maneira sutil por Scorsese, que apresenta o guitarrista também como um catalisador artístico capaz de reunir nos anos 1980 as lendas Bob Dylan, Roy Orbison, Tom Petty e Jeff Lynne no quinteto dos sonhos Travelling Wilburys.
Nos últimos anos, também veio à tona sua faceta de produtor cinematográfico, que financiou os arriscados e ousados projetos de humor dos Monty Phyton.
Harrison nunca abandonou sua paixão pela música, mas jamais se sentiu tão à vontade em um palco como o hiperativo Paul McCartney. Sofreu o lado mais obscuro da fama quando foi atacado com uma faca por um doente mental em sua própria casa em 1999, quase 20 anos depois do assassinato de John Lennon.
Sobreviveu, mas os ferimentos complicaram o câncer de pulmão que já sofria. Morreria dois anos depois, convencido, como dizia em sua canção, de que "todas as coisas devem passar".
Desde então, as reedições dos álbuns dos Beatles e de seus discos solo facilitaram novas leituras do legado de um artista que buscou um caminho além da fama e que abriu ao mundo sua fascinante vida interior.
 
Copyright ©2018 GArganTA MAGAlhães Todos os Direitos reservados | Designed by Robson Nascimento