quinta-feira, 28 de maio de 2015

Escola Técnica Estadual Arlindo Ferreira dos Santos

A Rede Estadual de Pernambuco participará ativamente do III o Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica, que está sendo realizado no Centro de Convenções, em Olinda. O evento, promovido pelo Ministério da Educação e Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), segue até o dia 29 e deve reunir mais de 15 mil pessoas do Brasil e do mundo, entre palestras, debates, conferências, além de atividades culturais. Na categoria Atividades Autogestionadas, concorrendo com trabalhos de todo o Brasil, Pernambuco teve 14 projetos selecionados, e a Escola Técnica Estadual Arlindo Ferreira dos Santos, localizada em Sertânia, foi a única unidade estadual com dois projetos aprovados: UTILIZAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA PARA FUNCIONAMENTO DE UMA REDE SEM FIO SUSTENTÁVEL, participará da Mostra de Inovação Tecnológica; e PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS À BASE DO LEITE DE CABRA, estará na Feira de Economia Solidária. Os projetos envolvem 14 educandos, 04 professores, 02 coordenadores, e o gestor da escola. “Este é um grande momento para a Educação Profissional de Pernambuco. Será um marco na história da Escola Técnica Arlindo Ferreira dos Santos, já que poderá apresentar dois de seus projetos para pessoas e instituições do Brasil e de várias partes do mundo. Além da oportunidade de conhecimento e troca de experiências que o evento irá nos proporcionar”, ressaltou o gestor da ETE AFS, Júlio César Albuquerque.
O Fórum vai reunir nomes reconhecidos na área de educação, como Moacir Gadotti, discípulo de Paulo Freire e professor titular aposentado da Universidade de São Paulo; a italiana Silvia Manfredi, professora titular aposentada da Universidade Estadual de Campinas; além de Mariela Castro, filha do presidente de Cuba, Raul Castro, militante do movimento LGBT e Diretora do Centro Nacional Cubano de Educação Sexual. Profissionais do Canadá, Portugal, Espanha, Colômbia, Reino Unido e Uruguai também estarão presentes para tratar de temas ligados a inovação tecnológica, empreendedorismo, políticas públicas e movimentos sociais. O evento contará com 384 atividades, ministradas pelas 150 instituições integrantes do comitê de organização do evento. São 102 oficinas, 24 lançamentos de livros, 25 palestras, 52 mesas redondas, além de 100 atividades culturais, entre apresentações musicais, encenações teatrais, exibição de filmes e exposições. Dentro da programação, acontece a Mostra de Inovação Tecnológica, com a exposição de 52 projetos desenvolvidos por pesquisadores de todo o país. Neste ano, o homenageado do evento é o pernambucano Josué de Castro.


quarta-feira, 27 de maio de 2015

FACEBOOK TAMBÉM É LUGAR PARA LITERATURA

“É preciso entender por que ficar no Facebook é mais interessante do que prestar atenção na aula”.

Em geral, a história é sempre a mesma: alunos que ficam conectados a seus perfis das redes sociais durante a aula, professores que não aprovam esse comportamento, e o conflito está criado. Por acreditar que o cenário não precisa ser de embate, a professora Mariana Redigolo decidiu utilizar o Facebook como instrumento de ensino. Durante uma aula de literatura sobre o livro “Senhora”, de José de Alencar, Mariana sugeriu que os estudantes criassem perfis das personagens na rede social, levando em consideração as características apresentadas no livro.
A ideia prontamente contagiou os 80 alunos do 2º E.M. da Escola Estadual Professor Joaquim Antônio Ladeira, em Louveira, a 75 quilômetros da capital paulista, que criaram perfis de Aurélia e Fernando, protagonistas do romance de Alencar. “Achei muito bacana a ideia de incorporar, na sala de aula, algo que faz parte do nosso dia a dia. Até os alunos que não dão tanta importância para a aula interagiram e participaram desse projeto”, afirma a estudante Jéssica Della Roza.

Mariana já mantinha, desde o ano anterior, um grupo de estudos pelo Facebook, grupo este que, mesmo sem valer nota alguma, era muito acessado pelos discentes. Segundo a professora, o objetivo não era avaliar, e sim envolver o aluno que estivesse ocioso na rede social. “O tempo que os alunos passam no Facebook é muito grande. Uma hora ou outra eles ficarão à toa e, provavelmente, irão acessar o conteúdo de literatura que está lá ‘de bobeira’ no grupo”, observa Mariana.
A docente ainda completa: “Uma ferramenta que atrai tanto os estudantes merece, no mínimo, um olhar mais demorado por parte dos professores. É preciso entender por que ficar no Facebook é mais interessante do que prestar atenção na aula”.
E a professora não está errada. De acordo com dados relativos ao segundo trimestre de 2014 e divulgados pelo próprio Facebook, 89 milhões de brasileiros – o que corresponde a 8 de cada 10 internautas - acessam o site todos os meses. Desse universo, 59 milhões, dos quais os alunos de Mariana fazem parte, entram diariamente na rede social. Ademais, o tempo de permanência mensal desses usuários, no Facebook, é, em média, de 16,6 horas. Outro dado relevante diz respeito ao aumento de 55% no acesso via dispositivos móveis, que chegou a 68 milhões.
Sobre o uso do celular e do Facebook no ambiente escolar, Jéssica ressalta a possibilidade de fazer, na sala mesmo, pesquisas rápidas, bem como o melhor aproveitamento do tempo da aula. “Se uma parte da matéria é mandada pelo Facebook, o professor não precisa passar grandes textos na lousa e sobra mais tempo para a discussão e resolução dos exercícios”, defende a aluna.
Consoante Soneide da Silva, coordenadora do Ladeira, a direção da escola aprovou o uso dos grupos de estudos no Facebook e decidiu, inclusive, socializar a metodologia para os demais professores. Quando perguntada sobre o uso do celular na sala de aula, a coordenadora cita a lei que proíbe essa prática, mas pondera: “É uma questão de bom senso e de encontrar o uso adequado. Acreditamos que o celular pode servir como um instrumento pedagógico”, declara Soneide.
De fato, o artigo 1º da Lei Estadual nº 12.730/07 proíbe o uso de telefone celular nos estabelecimentos de ensino, durante o horário das aulas. A professora Mariana, entretanto, discorda “O celular e o Facebook são ferramentas incríveis para a educação. Não adianta proibir, tem que educar o aluno para o uso adequado da tecnologia na vida”.

Encontrou seu Caminho fazendo Erasmus em Santiago de Compostela, mas acha que o esqueceu lá. Mestre em Linguística. Doutora na arte de procrastinar..

sábado, 23 de maio de 2015

O POVO BRASILEIRO: NAÇÃO SEM NENHUM CARÁTER

                                                           O Batizado de Macunaíma, de Tarsila do Amaral (Foto: Divulgação)
Nesse fim de semana, eu e o pessoal da faculdade organizamos uma calourada com essa temática: Macunaíma - de volta às origens, com uma pegada antropofágica. Não poderíamos ter escolhido tema melhor. As pessoas que compareceram à festa comprovaram a velha teoria dos Andrades, de que o brasileiro é um camaleão maravilhoso e colorido.
Para contextualizar o leitor perdido, darei um resumão dos dois textos literários que nos serviram de base para o evento. Tanto “Macunaíma - o herói sem nenhum caráter”, de Mário de Andrade, quanto o “Manifesto Antropófago”, de Oswald de Andrade, foram publicados em 1928, depois do furor estético da Semana de Arte Moderna, que aconteceu em fevereiro de 1922. O manifesto foi um brado que unisse os modernistas, procurando sintetizar todas aquelas mudanças vanguardistas ocorridas alguns anos antes.
manifesto.jpg Manifesto Antropófago publicado na Revista de Antropofagia (1928). Foto: site do Teatro Oficina
Afinal, que é ‘antropófago’? De acordo com costumes de algumas tribos indígenas, quando se ganhava de um bom guerreiro, era interessante comer sua carne para ingerir, junto dela, as características de bravura do derrotado. Nessa perspectiva, ser degustado era uma honra, porque significava ser um adversário de valores. Portanto, a antropofagia se difere do canibalismo nesse ponto: a comilança aqui tem um propósito espiritual e ideológico.
Oswald acreditava piamente na sua teoria, de que o brasileiro era por definição um antropófago cultural. Ou seja, a nossa cultura teria sido baseada na digestão do estrangeiro. Entendamos, aqui, o estrangeiro como algo diferente de nós - tanto influências vindas do exterior, quanto nacionais. E foi essa ideia que Mário tentou materializar no seu livro. Macunaíma seria a personalização do brasileiro, passando pelos três estágios da formação da nossa etnia híbrida: nasce índio negro e vira branco.

Porém, o que eu gostaria de dar destaque é ao subtítulo do livro: o herói sem nenhum caráter. Na linguagem comum, essa expressão tem tom pejorativo, levando a crer que o ‘sem caráter’ é ‘mau caráter’. Só que: não. No caso de Macunaíma e do brasileiro, o que se verifica é a ausência mesmo de caráter - essa falta de identidade que nos assombra. A nossa especificidade é não ter especificidade, e essa é a graça: podemos ser o que quisermos. O legado do camaleão. Há diversas discussões sobre o cunho imitativo da cultura brasileira, como o artigo “Nacional Por Subtração”, de Roberto Schwarz, que aborda com muita precisão esse problema na crítica literária.
E o que isso tem a ver com a calourada da Letras? Simples: expressamos, na pele e na literatura, o que é ser antropófago. Como brasileiras e brasileiros, nos utilizamos do nosso poder de adaptação e mimetismo, ingerindo informações alheias, somando às nossas e criando algo totalmente novo. As roupas externaram o desejo tupiniquim de misturar tudo. Eu mesma me vesti à caráter: com um corpete e meia arrastão, característicos das vedetes - herança do teatro de revista, que aparece na montagem d’O Rei da Vela (peça de Oswald), pelo Grupo Oficina em 1967 -; uma saia de paetê; all star; adornos e maquiagem indígena. Antropofagia pura: fui comendo tudo que achei no meu guarda roupa.
Depois dessa festa - que foi sensacional, para não passar batido -, conclui de vez que, aos meus olhos, a teoria louca de Oswald é a que possui mais verossimilhança ao nosso cotidiano brazuca. Somos, sim, canibais. Comemos a cultura do outro, a agregamos à nossa no estômago, vomitamos o que não presta, e no fim, sobra uma mestiçagem maravilhosa que não existia antes. Nem estrangeiro, nem nacional: eis o brasileiro. Nós, um monte de Macunaímas, formamos orgulhosamente essa linda nação sem caráter.
PUBLICADO EM LITERATURA POR 


© obvious: http://obviousmag.org/poetiquase/2015/05/o-povo-brasileiro-nacao-sem-nenhum-carater.html#ixzz3b1P2rS6X 
Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook

CAFÉ CONTRA O CÂNCER

As associações entre o café e a prevenção do câncer estão cada vez mais próximas. Apesar de os especialistas ainda não terem chegado a uma conclusão com relação as quantidades de cafeína a serem consumidas por dia para alcançar esse efeito, já existem fortes evidências que o grão é um aliado na hora de proteger o organismo contra essa doença.
Quem afirmou isso foi a World Cancer Research Fund, que recentemente publicou mais um estudo sobre o tema. Uma das novidades é a informação de que o café quente pode prevenir o câncer de fígado – problema muitas vezes associado ao alcoolismo. Cada xícara por dia pode reduzir em 14% as chances do surgimento da doença.
O mesmo grupo publicou uma pesquisa em 2013 indicando que o grão também pode ser um aliado contra o câncer no útero. Outro dado recente é da American Cancer Society, afirmando que quatro xícaras de café por dia podem diminuir a mortalidade dos casos de câncer de boca.
Mesmo assim, os especialistas são cautelosos nas conclusões dos artigos. No caso da prevenção contra o câncer de fígado, lembram que o café não ameniza os efeitos do alcoolismo – apenas três drinks por dia são suficientes para se tornar um possível portador da doença.
Enquanto os pesquisadores ainda não descobrem as quantidades exatas de cafeína que podem ajudar a prevenir o câncer, uma das sugestões deles é consumir a bebida sem açúcar, com leite desnatado ou semidesnatado.
Estamos esperançosos e curiosos pelos avanços da medicina em relação aos benefícios do café! Afinal, todos os motivos para tomar uma xícara quentinha são bem vindos.
Por: Marina Oliveira

sábado, 16 de maio de 2015

B.B. King morreu de pequenos AVCs, diz médico legista.


O músico B.B. King, considerado o "rei do blues", morreu após sofrer uma série de pequenos acidentes vasculares cerebrais (AVCs) decorrentes da sua diabetes tipo 2, afirmou um médico legista à agência Associated Press. Ele morreu aos 89 anos na madrugada desta sexta (15) em Las Vegas, nos Estados Unidos. Influenciou praticamente todos os grandes genios do Rock, entre eles: George Harrison, Eric Clapton, Jimi Hendrix, Beatles, Stones, Cream, George Benson, David Gilmour, etc

Pe. Airton e Wilson Freire Eternos Cidadãos Sertanienses...

Comemorando a Entrega dos Títulos de Cidadão Sertaniense na Câmara de Vereadores de Sertânia no dia 08/05: aos Nobres Wilson Freire e Pe Airton Freire representado por Wellington Freire. Antony Patrício De Sousa Freire Melo, Flávio Magalhães, Wellington Freire, Wilson Freire, Isidoro Simões, João Henrique Lúcio, Josessandro Batista de Andrade.

MINHA CIDADE (Flávio Magalhães)


                                                         Minha Cidade
(Poema feito quando eu tinha 19 anos em Homenagem a Sertânia)
Aqui eu vivo em Paz
Embora todos vagueiam
Em torturas pela luta da sobrevivência...
Enquanto outros esbanjam de prazer...
Aqui eu vivo em Paz
Onde o vigário fala “palavras de sabedoria”
Onde o Sol comanda
Seus raios de calor em nosso povo
Aqui eu vivo em Paz
Onde a alta sociedade
Não passa de uma falsa vaidade
Que não leva a lugar nenhum...
Onde existe muitos pobres de fato
Onde a fome ainda grita alto...
Aqui eu vivo em Paz
Onde a fome ainda grita alto...
Aqui eu vivo em Paz
Onde já foi terra dos coronéis sem patente
Agora terra de boa gente
Aqui eu vivo em Paz
Quer que chova ou faça Sol
Aqui eu tenho
Uma vida espontânea
Eu moro em Sertânia.
Aqui eu vivo em Paz.
(Flávio Magalhães)

Grupo ELEANOR




XXVI SEMANA ESTUDANTIL DE SERTÂNIA 2005


O secretário de Juventude, Cultura, Esporte e Turismo, João Lúcio, divulgou, nesta quinta-feira (14), toda a programação da XXVI Semana Estudantil e de Artes, que faz parte das comemorações dos 142 de Sertânia.
O evento, que será realizado de 19 a 22 de maio, é realizado pela Prefeitura de Sertânia e Associação Cultural de Sertânia (Acordes), com o apoio do Sesc Pernambuco e do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura/Fundarpe.
Além do Projeto Saberes Sertanienses, que está sendo desenvolvido nas escolas municipais, a programação contempla música, dança, literatura, teatro, poesia e repente. Tudo acontece na unidade móvel de artes cênicas do Sesc, que estará estacionada na Praça de Eventos. A unidade tem estrutura com palco de 7m x 7,10m, camarim climatizado, 10 mil watts de som e 25 mil watts de luz.
Festival de Cantadores
Um dos momentos mais esperados da XXVI Semana Estudantil e de Artes é o Festival de Cantadores, que vai fazer uma homenagem ao poeta João Paraíbano. Nomes como Ivanildo Vila Nova, Rogério Menezes, Raimundo Caetano, Diomedes Mariano, Sebastião Dias e Valdir Teles vão mostrar o melhor do repente nordestino. a apresentação será de Hipona x Vila Nova.
Confira toda a programação:
Terça-feira (19/05/2015)
Local: Praça de Eventos
19h - Revolta no país dos Retalhos (Teatro de Retalhos - Arcoverde) 
20h – Escola de Sanfonas de Sertânia (Música- Sertânia)
21h - Banda “Chave de Teste” (Música- Sertânia)
Quarta-feira (20/05/2015)
Local: Praça de Eventos
16h – Escola de Danças Folclóricas Professora Elisabete Freire (Dança-Sertânia)
16h30 - Palestra: Poesia de Repente, com Rogério Menezes e Diomedes Mariano (Literatura - Caruaru e Afogados) 
20h -
Cantigas do Sertão para Voar (Música - Sertânia)
21h - Festival de Cantadores (homenagem ao poeta João Paraibano)
Participação: Ivanildo Vila Nova, Rogério Menezes, Raimundo Caetano, Valdir Teles, 
Diomedes Mariano, Sebastião Dias. 
Apresentação: Hiponax Vila Nova. (Literatura - Repente)
Quinta-feira (21/05/2015)
Local: Praça de Eventos
16h – Escola de Violão de Sertânia (Música - Sertânia) 
16h30 - Palestra: A LITERATURA É MASSA, com Sidney Nicéias (Literatura - Recife)
20h– Prof. Giba e Banda (Música- Sertânia) 
21h- Zé Luís e Banda Candeeiro Encantado (Música -Monteiro) 
22h30 - Vates e Violas (Música - Prata)
Sexta-feira (22/05/2015)
Local: Praça de Eventos
16h – Culminância do Projeto Saberes Sertanienses (Lieteratura e fotografia) desenvolvido nas 
escolas municipais
20h – César Amaral (Música - Sertânia)
21h – Flor de Muçambê (Música – Recife/PE)


Morre o Ator Elias Gleizer


            O ator Elias Gleizer morreu neste sábado, dia 16, aos 81 anos, no hospital Copa D'Or, em Copacabana, no Rio. Ele estava internado desde o dia 6 de maio após fraturar cinco costelas e perfurar o pulmão numa queda em uma escada rolante numa galeria em Copacabana. A morte foi consequência de complicações que levaram à falência circulatória por conta de uma bronco-pneumonia.Conhecido pelos tipos bonachões que interpretou na TV, onde já viveu mais de 50 personagens em novelas, minisséries e especiais, Gleizer esteve doente nos últimos anos. Ele tinha um problema renal crônico e passou por várias internações de 2011 para cá. Filho de imigrantes poloneses, de pai sapateiro e mãe dona de casa, Gleizer começou na TV Tupi no final da década de 1950. Ele estreou na Globo em 1984, convidado pelo autor Walther Negrão para atuar em "Livre para voar". Entre os personagens preferidos do ator estavam o Jairo, de "Tieta" (1989), o tio Zé, de "Sonho meu" (1993), o Canequinha, de "Anjo de mim" (1996), e o Pepe, de "Era uma vez" (1998). Outro trabalho marcante dele em novelas foi em "Caminho das Índias", de Gloria Perez. Na história, Gleizer viveu o Seu Cadore, que sofria com a falsa morte de um dos filhos e a esquizofrenia do neto querido.
            Ele costumava dizer que não escolhia seus papéis, mas também afirmava que não queria mais interpretar padres, um tipo recorrente em sua carreira.

MORRE O ATOR ELIAS GLEIZER

domingo, 10 de maio de 2015

FELIZ DIA DAS MÃES



ATÉ DEUS TEM UMA MÃE, FELIZ DIA DAS MÃES..

Numéro de Visitas

Seguidores

TEMPO

GArganTA MAGAlhães | Template by - Abdul Munir - 2008 - layout4all